Galvanização De Academias Ao Ar Livre – Aumente a Qualidade da Sua!

Medida simples garante maior durabilidade dos equipamentos e mais segurança para os praticantes de atividades físicas

Uma das preocupações que devem estar na pauta dos gestores de academias ao ar livre é a forma como será feita a manutenção do equipamento. Por suas características, expostos ao sol e à chuva, é natural que essas peças precisem se uma atenção especial. E esse é um detalhe ao qual você deve ficar de olho desde o momento da aquisição do produto.

Para evitar que o barato saia muito caro, é extremamente recomendável que se recorra apenas a peças cujas partes tenham sido galvanizadas. Você sabe como funciona esse processo e de que maneira ele influência a qualidade dos equipamentos para academias ao ar livre? Nesse artigo, vamos explicar mais detalhes sobre o tema.

O que é a galvanização?

Galvanização

A galvanização é um processo destinado à aplicação de uma camada protetora sobre peças de aço ou de ferro, de forma que as chances de corrosão sejam menores. Essa camada protetora geralmente é feita de zinco. Um dos processos mais conhecidos de galvanização é o chamado imersão a quente (ou HDG).

Quando aplicado sobre o aço, o zinco protege a peça de duas formas distintas. A primeira é criando um revestimento resistente à corrosão, evitando que o substrato metálico seja corroído. Já a segunda é o fato de ele ser considerado um “ânodo de sacrifício”. Isso significa que quando a camada de zinco é danificada e o aço fica exposto, a própria corrosão do zinco mantém o aço intacto.

Qualidade na fabricação

Para garantir maior qualidade na fabricação dos seus produtos, a galvanização de academias ao ar livre é o primeiro passo para que o investidor tenha certeza de que está comprando um produto de longa durabilidade. Isso é possível graças ao extremo cuidado durante o processo de fabricação. Saiba também os cuidados para praticar exercícios no calor.

Processos de corte a laser, dobramento, usinagem de precisão, estampagem, soldagem MIG e retificação são apenas algumas das etapas. Depois de soldadas, as partes estáticas e modulares são montadas com rolamentos, parafusos e acessórios. O aço é submetido ao processo de galvanização por imersão a quente após conformado.

A Ginast, por exemplo, utiliza, em 100% da produção, tubos e chapas de aço carbono SAE 1.020 com espessura de 2 a 9,52 mm. O volume médio de aço utilizado por academia é de 600 kg.

Maior durabilidade

Existe uma estimativa para calcular a durabilidade de um equipamento galvanizado. Para isso, leva-se em consideração a espessura do aço e a categoria de corrosividade ao qual o produto será exposto. A espessura do aço utilizado nos aparelhos é de 2 mm < e <= 4mm. A categoria de corrosividade em que será exposto o material pode variar entre C1 e C5. A tabela é a seguinte:

  • C1 – Muito baixa: ambiente seco: tempo de vida útil 140 anos.
  • C2 – Baixa: ambiente com condensação ocasional: tempo de vida 80 anos.
  • C3 – Média: Ambiente com umidade elevada: tempo de vida útil 31 anos.
  • C4 – Alta: Ambiente urbano marítimo: tempo de vida útil 18 anos.
  • C5 – Muito Alta: elevado grau de salinidade: tempo de vida útil 8 anos.

Em outras palavras, é possível notar que mesmo nos ambientes mais adversos o tempo de vida útil é de pelo menos 8 anos. Em outras circunstâncias, a galvanização de academias ao ar livre pode fazer com que os equipamentos durem por mais de um século.

Quais os benefícios que a galvanização de academias ao ar livre traz?

Galvanização de Academias Ao Ar Livre

Além da durabilidade dos equipamentos ser muito maior, como você já pôde perceber acima, existem outros benefícios que são muito bem-vindos para municípios, entidades de classe e condomínios que investem em equipamentos como esses. Um deles é a redução dos custos de manutenção.

Como a vida útil do equipamento é maior e o seu processo de corrosão quando exposto ao tempo também ocorre de forma mais lenta, os custos destinados a isso em médio e longo prazo acabam justificando um investimento um pouco maior em um primeiro momento.

Do ponto de vista de quem utiliza a academia ao ar livre, a principal vantagem é a segurança, pois a galvanização evita que os esportistas tenham contato com áreas corroídas e possam machucar as mãos ou ter algum tipo de irritação no corpo por conta disso. Saiba como ter uma reeducação alimentar.

Por fim, tenha em mente que tanto o aço quanto o zinco são materiais 100% recicláveis, de forma que caso seja preciso substituir uma peça, os equipamentos antigos poderão servir como base para novas máquinas. É a própria natureza se encarregando de continuar o ciclo.

Evite gastos desnecessários: busque a galvanização

Números divulgados pela International Zinc Association (IZA), em pesquisa realizada com o apoio da USP, indicam que entre 1% e 5% do PIB dos países é consumido por conta da corrosão. No Brasil, somente em 2015 foram R$ 236 bilhões destinados à recuperação de peças que sofreram processos corrosivos de alguma forma.

Nas áreas litorâneas, a situação pode ser até 150 vezes mais intensa do que nas áreas rurais. Ou seja, no caso do Brasil, cujo litoral tem mais de 7 mil km, esses números certamente tornam a preocupação dos gestores ainda maior. Por isso, vale a pena investir em equipamentos mais seguros e na galvanização de academias ao ar livre.

Além de proporcionar maior qualidade aos usuários, certamente em médio e longo prazo você poderá perceber uma economia significativa na manutenção dos seus equipamentos.

Deixe um comentário

Seja o Primeiro a Comentar!

Notificar de
avatar
wpDiscuz